Formação de professores: o que há de novo (e urgente)

Conheça dicas para se tornar um professor cada dia mais atualizado, dinâmico e abastecido com conteúdo de qualidade diante da evolução civil

Você tem a impressão de que o tempo está passando cada vez mais rápido? É porque estamos vivendo tantas mudanças, em tão curto prazo, que parece que o que sabíamos ontem já está ultrapassado hoje, não é mesmo?

Neste sentido, a atualização tem sido um novo tópico na lista de prioridade da formação de professores. E isso se aplica desde as técnicas e estratégias pedagógicas até a forma como os professores estão acompanhando as pautas da atualidade.

Afinal, é importante que as discussões em alta fora das salas de aula sejam compartilhadas com os estudantes.

Para, assim, desenvolver conhecimentos essenciais, bem como competências, habilidades e aprendizagens. Pois elas contribuem com a formação acadêmica e social de cada um.

E então, como você se prepara para manter-se à frente desta evolução e ser um novo professor todos os dias? E como fomenta debates sociais na escola, enquanto atualiza suas habilidades pedagógicas?

Nós podemos te ajudar nesta jornada! Acompanhe a leitura e veja todas as informações e dicas que listamos sobre o que há de novo (e urgente) para a formação de professores.

Para começar, conheça o conceito de Lifelong Learning

Primeiramente, vamos falar do conceito de educação contínua, em inglês “lifelong learning”. Isso porque ele está em alta no mercado de trabalho. Logo, está diretamente associado ao momento de rápidas mudanças que estamos vivendo na educação também.

Quando falamos de lifelong learning, estamos nos referindo a práticas que contribuem com o desenvolvimento profissional contínuo. Ou seja: a formação que visa a atualização de habilidades e conhecimentos para acompanhar a evolução civil.

E o novo professor que adota o lifelong learning no dia a dia, como também as instituições de ensino que incentivam este comportamento entre os docentes, podem contar com os seguintes benefícios:

  • Descoberta e desenvolvimento de habilidades
  • Mais estímulo para a criatividade
  • Domínio de tecnologias
  • Mais chances para identificar e aproveitar oportunidades

Fonte: FIA

Concluindo, para aplicar o lifelong learning no dia a dia, basta seguir os 4 pilares da educação defendidos pela Unesco, que nós já abordamos aqui: aprender constantemente a conhecer, fazer, conviver e ser.

Hoje é o dia certo para se reinventar

Atualmente, o ensino e aprendizagem se transformam a todo momento. Entretanto, devido às consequências da pandemia, estas mudanças foram ainda maiores nos últimos meses.

Neste cenário, o novo professor precisa se reinventar todos os dias. Porém, não adianta seguir à espera da hora certa, porque ela já chegou!

Atualizações nas aulas, nos materiais didáticos e na forma como são realizadas as atividades são necessárias agora, neste momento de constantes adaptações.

Além disso, o presente exige que os profissionais já dominem as atuais ferramentas de ensino, bem como tecnologias e redes sociais que estão sendo usadas como suporte das aulas presenciais e do ensino remoto.

Não é um processo fácil, porém, é de extrema importância para o momento. Inclusive, mais do que se atualizar em questões técnicas, o novo professor precisa saber a melhor forma de abordar os temas em discussão na sociedade dentro das salas, visando a formação social dos estudantes.

Vale ressaltar que trazer os debates em alta para a classe atende às dez competências gerais da BNCC nos planejamentos pedagógicos, que são:

  • Argumentação
  • Autoconhecimento e autocuidado
  • Comunicação
  • Conhecimento
  • Cultura digital
  • Empatia e cooperação
  • Pensamento científico, crítico e criativo
  • Repertório cultural
  • Responsabilidade e cidadania
  • Trabalho e projeto de vida

Portanto, ao se atualizar sobre o que está acontecendo no mundo e expandir sua formação, você contribuirá com a aprendizagem e desenvolvimento dos estudantes. Agora, como se reinventar? Siga nossas próximas dicas!

Os professores estão ON: dicas para se atualizar agora

Antes de mais nada, o professor deve “estar ON”. Esta gíria reflete o quanto você precisa estar conectado nos dias de hoje.

Sendo assim, inclua na sua rotina diária uma “ronda” por portais de notícias para saber o que está acontecendo no Brasil e no mundo e apresentar estas discussões aos alunos, atualizando seus conteúdos.

Além disso, outra forma de saber as notícias da atualidade em primeira mão é por meio das redes sociais.

Então, aqui vai uma dica: siga perfis de influenciadores com credibilidade e que tenham conteúdo de qualidade para oferecer aos seguidores (não é sobre dancinhas, é sobre conhecimento!).

Para completar, você ainda pode seguir as hashtags relacionadas aos temas para acompanhar o que é publicado de acordo com seu interesse.

Continuando, nesta atualização da formação dos professores, é válido investir o tempo em cursos. Hoje, existem diversas plataformas que compartilham conhecimentos de forma gratuita, rápida e on-line.

Assim, não é necessário realizar grandes investimentos financeiros, nem ao menos para deslocamento.

Você sabia, por exemplo, que o MEC (Ministério da Educação) oferece diversos cursos gratuitos on-line? Então, acesse o conteúdo clicando aqui e veja como eles podem colaborar com a sua formação frente as novas grades curriculares.

Ainda listamos estes sites, de organizações que promovem contribuições ao ensino no Brasil, e que oferecem cursos gratuitos para profissionais da educação:

3 temas para discutir em sala de aula em 2021

Já falamos sobre a importância de se atualizar sobre o que está acontecendo no mundo.

Agora, é a hora de levar isso aos estudantes e contribuir com a formação social, atendendo à exigência da BNCC de trabalhar as dez competências socioemocionais.

A seguir, confira 3 indicações de temas para serem trabalhados com os alunos.

1. Direitos Humanos

Este tema é bastante amplo e envolve muitas discussões, desde a igualdade de gênero, como tambéma desigualdade e justiça social, entre outras pautas.

Então, para se preparar para esta aula, sugerimos consultas a sites de ONGs e instituições que reflitam sobre estas temáticas, como, por exemplo o Instituto Aurora. Isso porque esta é uma plataforma focada em educar sobre direitos humanos.

Além dela, existe a plataforma da Unesco, que também é uma fonte de informação com muitas contribuições literárias para agregar ao conteúdo.

2. Cultura do cancelamento

Parece um assunto sem importância, entretanto, discuti-lo em sala de aula é fundamental. Pois o tema está bastante presente na rotina de jovens da atualidade.

Logo, a intolerância e falta de discernimento ao realizar críticas pode inclusive resultar em episódios graves de bullying nas escolas.

Para saber mais, compartilhamos esta reportagem da Rede Globo, em que especialistas dão caminhos para abordar este assunto com os estudantes.

3. Pandemia

A pandemia continua e abre portas para discussões cada vez mais importantes. Portanto, este pode ser o ponto de partida para aulas diversas.

Aqui, existe a possibilidade de falar sobre saúde, ciências, empatia (uma vez que o cuidado individual reflete na sociedade geral), economia, globalização, até mesmo sobre tecnologia.

Ao portal Educa 2022, o doutor em comunicação Paulo Ribeiro compartilhou insights sobre como falar deste assunto em sala de aula.

Para completar, lembre-se que as discussões devem ser conduzidas priorizando o respeito e espaço de fala entre todos os participantes.

Desejamos que as informações compartilhadas aqui no blog da Ciranda de Livro fortaleçam suas habilidades e mantenha você e a turma por dentro do que acontece na atualidade.

Deixe uma resposta